fbpx

Translators 101 Newsletter #2


translators-101-newsletter-2 

Para agora

Como é o sinal dos presidenciáveis em Libras?

Uma matéria do portal de notícias G1 consultou a intérprete Mirian Caxilé para representar os sinais dos candidatos à presidência da república na Língua Brasileira de Sinais. Para aqueles que não são intérpretes de Libras, é uma matéria curiosa que até explica o porquê os sinais são esses, e para os já intérpretes, pode servir como material de estudo e uma oportunidade criativa para candidatos que não têm sinal, como Eymael ou João Amoêdo.

Leia mais em G1.

 

‘Humilhados e ofendidos’ de Dostoiévski é publicado com nova tradução em português

O filósofo e tradutor Fiódor Dostoiévski escreveu o romance ‘Humilhados e Ofendidos’ em 1861. A jornalista Nahima Maciel diz que o livro tem “traços autobiográficos” e é “considerado um ponto de passagem e amadurecimento na obra do autor”.

A obra foi traduzida do russo para o português por Fátima Bianchi, que compartilhou com o Nahima para o Correio Brasiliense sua visão sobre a obra e, ainda mais especial para tradutores, o maior desafio na tradução de uma obra de um autor tão importante quanto é Dostoiévski.

Leia mais em Correio Brasiliense.

 

Para refletir

 

Draft No. 4 por John McPhee

O escritor e jornalista premiado John McPhee compartilha em um longo texto a tensão e a ansiedade do bloqueio criativo em um escritor. Por que às vezes é tão difícil começar um texto, e por que às vezes sentimos algo negativo antes de começar a escrever ou traduzir algo que gostamos?

O texto fala da escrita em geral, mas é ótimo para os tradutores que já chegaram naquela frase, palavra ou até parágrafo que parecia intraduzível. Como passar desse bloqueio? McPhee compartilha técnicas em forma de pequenas histórias que te acolhem, te guiam e te deixam ensinam a importância de escrever (ou traduzir) e revisar uma, duas, três e até quatro vezes antes de considerar um trabalho “pronto”.

Nem todo trabalho te dará a oportunidade dessa reflexão e revisão prolongadas, mas ainda assim é uma lição para se levar e adaptar para todo projeto, seja ele de urgência ou de longo prazo.

Leia mais em The New Yorker.

 

Tradução e o Direito Autoral

Se um profissional fez uma tradução no Brasil, ele detém os direitos autorais daquela obra em algum nível? Como uma obra traduzida se enquadra na lei de direitos autorais brasileira?

Um texto de Margarete de Toledo explica diferentes cenários possíveis de enquadramento de uma obra traduzida e quem fica com o direito sobre ela. Em especial para futuros tradutores literários, esse texto deve te ajudar a conhecer em geral seus direitos sobre a obra traduzida e a entender quando um cliente pode estar negociando os direitos além do permitido por lei.

Leia mais em Jus.com.br.

 

Para se engajar

 

Google Cloud Translation API

Temos motivos de sobra para suspeitar que o que digitamos no Google pode ser compartilhado com outras empresas, e temos ainda mais motivos para acreditar que o Google Tradutor não é bom para tradutores nem para pós-edição.

A Google Cloud Translation API acaba com essas duas crenças. Ela é uma ferramenta de tradução automática do Google que usa redes neurais e inteligência artificial para criar traduções com uma boa estrutura de frases, ortografia e gramática apropriadas ao padrão e sem influência de comunidades ou seres humanos sugerindo traduções supostamente melhores. Para quem já está acostumado com ferramentas de tradução, algumas possuem módulos para integrar a Cloud Translation API à ferramenta. Também é possível testá-la no site.

E como era de se esperar, o serviço é pago. No momento, a Google está dando um crédito generoso para novos usuários que deve ser mais do que suficiente por meses para um tradutor iniciante usar a ferramenta de graça. Ainda assim é preciso registrar um cartão.

Aprenda mais em Google Cloud.

 

Associação Brasileira de Tradutores e Sindicato Nacional dos Tradutores

Os tradutores têm duas instituições no Brasil que devem pelo menos conhecer.

A Associação Brasileira de Tradutores, também conhecida como ABRATES, é a primeira. Ela é uma associação sem fins lucrativos que busca promover cursos, eventos e palestras para seus associados e permitir a “troca de conhecimento e contatos entre colegas e/ou instituições e agências”. O principal evento da ABRATES é seu Congresso anual, que reúne centenas de tradutores e dezenas de empresas de tradução em salas com palestras e espaço para networking e negócios em geral. A Associação também oferece diversos benefícios para seus associados, como planos de saúde, descontos na compra de algumas ferramentas de tradução, em cursos e até descontos em taxas de bancos especializados em recebimento de dinheiro do exterior.

O Sindicato Nacional dos Tradutores, também conhecido como SINTRA, é o sindicato dos tradutores reconhecido pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social. Seu objetivo é ajudar na “busca de remuneração digna” dos tradutores, lutar “pelo recebimento, pelos tradutores de livros, de direitos autorais” e dar “apoio aos tradutores nas suas questões com os clientes.” O SINTRA também oferece benefícios semelhantes aos da ABRATES, como plano de saúde e descontos, mas é mais conhecido pela famosa tabela com os Valores de Referência para cobrar em traduções e interpretações.

 

Aprenda mais em ABRATES e SINTRA.

Deixe uma resposta